Em novo julgamento, STJD vai avaliar fatos que podem atenuar pena do Grêmio

Por Bernardo Itri

Balança

Elementos que podem amenizar a pena aplicada ao Grêmio serão analisados pelo STJD no novo julgamento do caso de racismo. Caio Rocha, presidente do tribunal, afirma que o fato de ser pequeno o número de torcedores que ofendeu Aranha e a identificação dessas pessoas serão levados em conta na sentença final. “Temos que analisar se a responsabilidade objetiva [do clube] persiste nessas circunstâncias”, argumenta Rocha.

Jurisprudência. “Vamos analisar porque é um precedente que se abre. Nossa decisão repercute não só nesse caso, mas em outros futuros”, completa o presidente do STJD, Caio Rocha.

Dor no bolso. Se a exclusão for reconsiderada pelo STJD, a pena aplicada ao Grêmio deve ser uma multa de até R$ 100 mil.

Pena alternativa. O presidente do STJD aponta que, se o caso de racismo acontecesse em um jogo do Brasileiro, a pena mais grave aplicada seria a perda de pontos da partida. Possivelmente, o clube envolvido no caso de preconceito também poderia perder mandos de campo.

Fora de área. Uma viagem de Paulo Schmitt, procurador-geral do STJD, para um congresso na Suíça fará com que o novo julgamento só aconteça daqui a duas semanas. A sessão será entre os dias 18 e 19 de setembro.

Lição… Paulo Henrique Ganso, que assistirá nesta sexta-feira (5) à primeira partida do Brasil após a Copa, afirma que a derrota acachapante para a Alemanha “deve ser levada como exemplo” para o novo ciclo até o Mundial da Rússia, em 2018.

…de casa. “Foi triste pela maneira como [a derrota para a Alemanha] foi. Não é um placar normal de futebol”, aponta Ganso.

Em xeque. Atual pentacampeão ucraniano, o Shakhtar Donetsk tem futuro incerto com a continuidade da crise no país. Um diretor do clube admitiu a pessoas próximas que não sabe o que pode acontecer com o time, que depende exclusivamente do dinheiro de seu dono bilionário.

Em xeque 2. Na visão deste dirigente do Shakhtar, a crise na Ucrânia abalou o futebol e não se vislumbra um futuro animador para o esporte no país.

Itinerante. Uma das cidades mais atingidas pelo conflito, Donestk precisou ser abandonada pela equipe. Agora, os jogos do do atual campeão ucraniano são realizados em Lviv, enquanto os treinamentos acontecem em Kiev. Atletas e membros do corpo diretivo também estão vivendo na capital do país.

Justa causa. Do promotor Francisco Cembranelli, membro do Comitê de Gestão do Santos, explicando a decisão de demitir Oswaldo de Oliveira: “Foi resultado. A única coisa que demite treinador é resultado.”

Aviso prévio. Antes de ser demitido, Oswaldo já havia sido cobrado pela diretoria por resultados. A reclamação mais veemente aconteceu após a derrota para o São Paulo, na semana passada.

Colaborou EDUARDO OHATA, de São Paulo

DIVIDIDA

“Os árbitros não estão vendo as faltas, e a violência nos gramados acaba contaminando as arquibancadas

HERALDO PANHOCA

especialista em direito desportivo, autor da Lei Pelé, sobre violência de torcedores