Corinthians propõe ceder a Guerrero por eleição, mas peruano quer esperar

Por Bernardo Itri

Preocupados com a proximidade da eleição para presidente do Corinthians, em 7 de fevereiro, e na falta de boas notícias, membros da chapa de situação procuraram o atacante Guerrero e sinalizaram que podem se aproximar do pedido feito pelo atleta para renovação. São US$ 7 milhões (R$ 18 milhões) à vista, de luvas. O jogador, no momento, entende que o melhor é esperar o resultado da eleição para depois negociar.

Estratégia. No Corinthians, a entrevista de Guerrero a rádio espanhola sobre seu desejo de voltar à Europa foi vista como uma estratégia para negociar a renovação por valores que deseja.

Sul-americano. O segundo adversário da seleção brasileira na data-Fifa de março será o Chile. Ainda falta a assinatura do contrato para o anúncio, mas a partida deve ocorrer no Emirates, estádio do Arsenal, em Londres. No dia 26, o time de Dunga encara a França, no Stade de France, em Paris.

Racismo. A CBF decidiu não fazer boletim de ocorrência ou enviar reclamação à Conmebol sobre a suspeita de racismo em jogo da seleção sub-20 por temer que outros adversários usem o caso em campo para provocar os brasileiros nas quatro partidas restantes do Campeonato Sul-Americano.

Em aberto. Após o torneio, que acaba em 7 de fevereiro, a entidade avaliará se fará representação oficial contra o uruguaio Facundo Castro, que segundo o atacante Marcos Guilherme o chamou de macaco no jogo de segunda-feira (26).

Palcos. O Campeonato Baiano começará neste final de semana com apenas seis estádios liberados para receber partidas dos 12 times. A federação interditou outros quatro que estavam com problemas de segurança e estrutura para receber torcedores.

Negócio. O Atlético-PR fechou com uma empresa americana para prestar consultoria de fisiologia, preparação física e psicologia do esporte ao futebol do clube.

Crianças. A partir de 1° de março, menores entre dez e 12 anos precisarão de certificado da entidade para ter relação com clubes de futebol. A Fifa comunicou a seus filiados que está preocupada com a precocidade das negociações e diminuiu em dois anos a idade mínima para que um atleta já possa estar registrado nas federações.

Regulamento. A medida chega na sequência de punição ao Barcelona e investigação ao Real Madrid por transferências internacionais de menores de idade. É preciso uma autorização da Fifa para isso negociar atletas de 12 a 18 anos, mas menores do que isso viviam em um “limbo”. Há na entidade quem defendesse que a idade mínima caísse para os oito anos.

Menos dinheiro. Em 2014, US$ 468 milhões (R$ 1,2 bilhão) foram gastos com transferências de jogadores brasileiros de futebol em todo o mundo. Apesar de ser a nacionalidade que mais movimentou dinheiro, houve queda de 33% dos valores  com relação ao ano anterior.

Doping. As mais de 60 amostras para controles antidoping recolhidas na Copa São Paulo de Futebol Júnior, encerrada no domingo, serão encaminhadas para o Instituto Hospital do Mar de Investigações Médicas, laboratório de Barcelona credenciado pela Wada (Agência Mundial Antidoping).

Exportação. O Brasil não tem, no momento, instituto credenciado pela agência. Os resultados devem sair ainda em fevereiro.

Colaborou PAULO ROBERTO CONDE, de São Paulo

DIVIDIDA

“A forte diminuição dos investimentos é prova concreta da baixa qualidade técnica e da lenta reposição de talento”

EDUARDO CARLEZZO

Advogado especializado e direito desportivo, sobre queda do valor total pago em transação de brasileiros em 2014