Receita do Palmeiras com Avanti em janeiro supera os 3 primeiros anos

Por Bernardo Itri

Apenas em janeiro, o programa de sócio-torcedor do Palmeiras rendeu ao clube a receita líquida de R$ 1,6 milhão. O valor registrado no mês chamou a atenção da diretoria alviverde: foi maior do que a renda somada dos três primeiros anos do Avanti, 2010, 2011 e 2012. Nesta toada, a receita com os sócios-torcedores em 2015 pode se aproximar do segundo principal faturamento do clube, o patrocínio máster do uniforme.

Calculadora. Com R$ 1,6 milhão por mês, o Palmeiras alcançará ao fim do ano R$ 19,2 milhões em renda com sócios-torcedores. A Crefisa, maior patrocinadora, pagará R$ 23 mi em 2015.

Subindo. O programa de sócio-torcedor palmeirense foi o que mais cresceu em 2015: angariou cerca de 30 mil novos adeptos. É o segundo no ranking de associados no país, com 97.119, atrás do Inter, que tem 130.207 sócios.

X

Quem… O modelo de administração do Santos, com o Comitê de Gestão, está com os dias contados. O presidente Modesto Roma Júnior considera o formato inadequado e criou uma comissão de reforma do Estatuto para propor a mudança do sistema o mais breve possível.

…manda. “Essa forma de Comitê de Gestão deixa o clube ingovernável. Não dá certo em nenhum lugar do mundo”, critica Modesto. “Dizem que cachorro que tem dois donos morre de fome. E cachorro que tem nove donos?”, completa, referindo-se à quantidade de membros do Comitê de Gestão.

Aval. Uma das possibilidades estudadas para a alteração do modelo é criar um Conselho de Administração, que não teria tantos poderes quanto o Comitê de Gestão, mas aprovaria as medidas mais complexas do clube.

Cobertor curto. O aluguel de 50 ônibus para a torcida tricolor ir ao Itaquerão custará R$ 20 mil para cada clube, Corinthians e São Paulo, que compartilharão a despesa. Com o valor gasto para a torcida rival, a diretoria do Corinthians pagaria dois salários de Malcom, revelação do time em 2014 e que cobra um aumento há um ano.

Linha direta. A divisão dos R$ 40 mil foi acertada entre o vice de futebol do São Paulo, Ataíde Gil Guerreiro, e o ex-presidente corintiano, Andres Sanchez.

Termômetro. O presidente do São Paulo Carlos Miguel Aidar diz que o aluguel dos ônibus ficou mais caro que o normal porque as empresas fornecedoras consideraram o fato de que os usuários serão, em sua maioria, torcedores organizados.

Bedel. Segundo Aidar, o clube acertou com a Polícia Militar que, para não haver depredação dos ônibus, cada um dos 50 carros terá a presença de um PM, tanto na ida como na volta do estádio.

Tiro no pé. O Ministério Público de São Paulo discorda da atitude dos clubes, de financiar o transporte dos torcedores tricolores. O promotor Roberto Senise Lisboa reclama da medida: “Isso mostra como as torcidas organizadas são, em parte, financiadas pelos clubes”.

DIVIDIDA

“Cada torcedor deve bancar seu custo e ter segurança do Estado

MARCO AURÉLIO CUNHA

vereador da capital (PSD) e conselheiro do São Paulo, afirmando ser contra o clube financiar os ônibus para a torcida ir e retornar do Itaquerão