Empresa citada na Lava Jato e associação brigam por privatização do Pacaembu

Por Bernardo Itri

A Prefeitura de São Paulo fechou nesta sexta (20) o chamamento público para repassar a administração do Pacaembu à iniciativa privada com sete empresas inscritas. Na disputa pela gestão do estádio estão a Associação Viva Pacaembu, de moradores do bairro, a Luarenas, administradora do Castelão e do Independência, e a Construcap, citada na operação Lava Jato. A Arcadis Logos (empresa de engenharia), a Associação Casa Azul e dois consórcios completam a lista.

Nos bastidores. Embora não tenha entrado diretamente na briga pelo Pacaembu, o Santos tem acordo com a Luarenas. Caso a empresa ganhe a gestão, o clube fará uma parceria para mandar mais jogos no estádio.

Infiltrada. Chamou a atenção da prefeitura paulistana a participação da Associação Viva Pacaembu, que é contra a realização de shows noturnos nos estádio.

Pela beirada. Em processo de corte de gastos, o Corinthians mira jogadores pouco utilizados por Tite para enxugar a folha salarial do time. Do elenco principal, de 34 integrantes, Romero é um dos jogadores que podem deixar o time. O plano é reduzir ao máximo o custo com os jogadores, que chega a cerca de R$ 8 milhões por mês.

Porta fechada. Apesar de apertar os freios financeiramente, o presidente do Atlético-MG Daniel Nepomuceno tenta não perder jogadores para a temporada. Sobre o interesse do Porto no lateral Marcos Rocha, o cartola tem dito que “não vende nem por 100 milhões de euros”.

Memória. Do ex-presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, sobre o clube não precisar aderir ao refinanciamento da MP do futebol: “O Carlos Miguel Aidar diz que está tudo negociado. Mas esquece de falar que tudo foi feito há sete anos, quando aderimos à Timemania”.
Chefia. Diretor-executivo da Autoridade Pública Olímpica, Marcelo Pedroso assumiu interinamente a presidência do órgão. Antes de ir para a APO, há um ano, Pedroso foi secretário-executivo do Ministério da Cultura e diretor de Mercados Internacionais da Embratur.

Chefia 2. O general Fernando Azevedo e Silva, ex-presidente da APO, aliás, vai assumir oficialmente o Comando Militar do Leste no próximo dia 30. No cargo, ele será peça-chave no programa de segurança dos Jogos Olímpicos.

Rateio. Sorteados os confrontos das quartas de final da Liga dos Campeões, a Globo acertou com o Esporte Interativo a divisão da transmissão dos jogos na TV aberta. Barcelona x PSG será exibido pela Globo, e Real Madrid x Atlético de Madri ficará com a emissora concorrente. Na TV por assinatura, a ESPN vai exibir todas as partidas.

Passado x futuro. Ex-diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, que teve de lidar com os 7 a 1 na Copa do Mundo, foi ao Comitê Olímpico Brasileiro nos últimos dias. Paiva palestrou para técnicos das modalidades que estarão na Olimpíada-2016, como Bernardinho, José Roberto Guimarães e Ruben Magnano.

Colaborou SÉRGIO RANGEL, do Rio

DIVIDIDA

“As cotas de televisão têm de ser revistas. É só olhar os campeonatos pelo mundo para ver que está errado

SÉRGIO RASSI

presidente do Goiás, cobrando equiparação na divisão dos direitos de TV dos clubes