Aidar prometeu cortes no São Paulo, mas aumentou gastos em R$ 4 milhões

Por Bernardo Itri

Desde que assumiu a presidência do São Paulo, Carlos Miguel Aidar tem pregado corte radical nos gastos com pessoal. Chegou a afirmar que o clube poderia ser tocado com 10% de seu efetivo profissional. Mas seu discurso não foi aplicado em 2014. Pelo contrário.

O São Paulo, em séria crise financeira, aumentou em R$ 4 milhões as despesas administrativas com pessoal no ano passado. Subiu de R$ 8,6 milhões para R$ 12,4 milhões.