Copa do Mundo deve ter vaga por convite após inchaço de participantes

Por Marcel Rizzo

Já está definida como será a divisão de vagas na Copa do Mundo caso seja aprovado o aumento de participantes de 32 para 40.

A novidade é que haverá uma seleção classificada por “méritos esportivos”, ou seja, por convite. Segundo documento do Comitê de Reformas da Fifa, que fez a proposta, o critério para esse convite ainda será definido. A América do Sul teria cinco vagas diretas, e metade das seleções do continente que disputam a eliminatória estaria no Mundial.

Aprovação. A proposta, que valeria a partir da Copa de 2026, será votada no Congresso extraordinário de fevereiro, quando o novo presidente da Fifa será eleito. A repescagem, que hoje define duas vagas entre América do Sul, Ásia, Oceania e Américas do Norte e Central, acabaria.

Divisão. A África passaria a ter sete vagas diretas, a Ásia, seis, as América do Norte e Central, cinco, a Europa, 14, e a Oceania teria sua vaga direta. Com as cinco da América do Sul, o país-sede e o time convidado, completariam as 40 vagas. O formato de disputa da competição com oito seleções a mais ainda será discutido na Fifa.

Olho na Suíça. A pressa da CBF em marcar a eleição para a vaga de vice aberta com a saída de José Maria Marin foi para evitar que uma eventual suspensão pela Fifa de Marco Polo Del Nero de qualquer atividade do futebol abrisse brecha para que o vice Delfim Peixoto, 74, assumisse a entidade.

Xerife. O zagueiro Luisão, 34, era o preferido da diretoria do Palmeiras para a defesa em 2016. A avaliação é que falta experiência na posição. Mas, ídolo no Benfica, o clube não quer liberá-lo.

Substituição. Caso o Cruzeiro mantenha a desistência de participar do torneio que a Primeira Liga, quer organizar em 2016, o mais provável é que o Paraná Clube ocupe o seu lugar.

Fica. Mas há articulação para convencer o Cruzeiro a retornar para a liga em breve.

Pra mulher. Apoiada pela jogadora Marta, a campanha de financiamento coletivo “Nem toda menina nasceu para ser bailarina” já arrecadou R$ 10,4 mil. O dinheiro vai bancar garotas carentes no Soccer Camp da Juventus, da Itália, experiência inédita no Brasil, de 16 a 19 de dezembro, em São Paulo. O objetivo é arrecadar R$ 12 mil.

Colaborou CAMILA MATTOSO, de São Paulo